Castanha – Um tesouro nutricional a explorar nesta semana de São Martinho

O castanheiro (Castanea sativa Mill.) teve a sua origem na região leste do Mediterrâneo há mais de 90 milhões de anos, espalhando-se depois por todo o continente. A castanha é assim, provavelmente, um dos mais antigos alimentos consumidos pelos habitantes do espaço que hoje se designa por Europa.

Alimento milenar, a castanha representa bem a ligação do homem com a tecnologia, pois para que os nutrientes da castanha ficassem mais acessíveis, com melhor sabor e digestibilidade, sempre foi necessário aquecê-la, cozendo ou assando, por exemplo.

Do ponto de vista nutricional, as castanhas são um verdadeiro tesouro nutricional, mas infelizmente desconhecido para a maioria dos consumidores e também para os profissionais de saúde.

Dez castanhas assadas (84g) fornecem apenas 2g de gordura mas 17% da quantidade de fibra necessária diariamente e estão isentas de glutén, podendo substituir os cereais com glúten, fornecendo energia de qualidade para os doentes celíacos, por exemplo.

Os hidratos de carbono presentes na castanha possuem quantidades apreciáveis de amiloses e amilopectinas, polissacarídeos que permitem o desenvolvimento da flora intestinal e a produção de cadeias de ácidos gordos de cadeia curta. Se a este facto, adicionarmos as substâncias indigeríveis (fibra) que estimulam a presença de bactérias probióticas benéficas no intestino, do género Bifidobacterium e Lactobacillus, encontramos na castanha os processos ideias para se reduzir a inflamação e as enzimas bacterianas fecais que podem estar na génese de alguns cancros do intestino. A presença de fibra pode ainda contribuir para a regulação dos níveis de colesterol e da resposta de insulina.

Mas o interesse da castanha não se reduz a estes aspectos funcionais. A castanha é uma fonte espantosa de nutrientes, nomeadamente vitaminas, minerais e compostos químicos protetores das células. Das vitaminas presentes na castanha é de realçar a grande quantidade de vitamina C, habitualmente presente nos frutos cítricos, mas que aqui ganha importância, em especial para as populações do interior e durante o inverno. Dez castanhas assadas fornecem 36% das quantidades necessárias de vitamina C, 14 % da tiamina necessária, 21% da vitamina B6 e 15% do ácido fólico, este último habitualmente presente nos hortícolas de cor verde. Quanto aos minerais, a castanha fornece quantidades apreciáveis de cálcio, ferro, magnésio, potássio, fósforo, zinco, cobre, manganésio e selénio.

castanhas

Informação retirada de Nutritiondata 

A castanha possui ainda diferentes fitoquímicos, nomeadamente, luteína, zeaxantina, e diversos compostos fenólicos que são importantes anti-oxidantes e protetores celulares.

Com tantos atributos é pena que a castanha não integre com mais frequência as nossas refeições, tanto em casa como na escola, podendo substituir o arroz, a massa ou a batata com frequência e com vantagens nutricionais, em particular nesta altura do ano. Ainda por cima, quando Portugal possui uma variada produção desde a Serra da Padrela, Marvão-Portalegre, até Trancoso e à Terra Fria Transmontana.

 Imagem retirada de Emiliano Spada

0 Comentários , Adicione o seu

Comentar

Adicione o seu comentário:

Outros artigos com a tag: Festividades