Aveia – Um cereal para acompanhar em 2017

A aveia é um cereal que começou a ganhar importância nestes últimos tempos e que deverá merecer atenção renovada em 2017.

A aveia pertencente à família Poaceae e género Avena compreendendo várias espécies silvestres, daninhas e cultivadas, distribuídas por 6 continentes. Aparentemente, a A. Sativa (aveia branca) teve origem na Ásia, enquanto a A. Bysantina Koch (aveia amarela) no Mediterrâneo e Médio Oriente.

O que faz da aveia um alimento extraordinário, é o facto de crescer em solos mais pobres, mas apesar disso, ter uma enorme riqueza nutricional, em particular devido aos fitoquímicos presentes na sua constituição.

A aveia caracteriza-se por possuir proteína, amido, ácidos gordos insaturados e fibras alimentares tanto na sua fração solúvel como insolúvel.

A aveia também contém micronutrientes, como vitamina E, folatos, zinco, ferro, selénio, cobre, manganês, carotenoides e ainda aminoácidos como betaínas e arginina. O seu alto conteúdo proteico (17g/100g) distingue-se dos outros cereais pelo elevado teor em arginina, aminoácido que apresenta importância na resposta imunológica e cicatrização de tecidos. A aveia é uma boa fonte de compostos fenólicos derivados principalmente de ácidos hidroxibenzóico e hidroxicinâmico. Estudos anteriores demonstraram que os compostos fenólicos na aveia possuem propriedades antioxidantes, podendo melhorar a função endotelial, a sinalização celular e possuir propriedades anti-inflamatórias. A aveia possui ainda quantidades interessantes de fibra solúvel, em particular de Beta-glucanos.

A ingestão de β-glucanos de aveia em doses diárias parece reduzir os níveis de colesterol total e de lipoproteínas de baixa densidade (LDL) plasmática.

No seu total, os vários tipos de fibra alimentar presentes na aveia, podem ter um papel ativo na regulação e proteção da flora intestinal, na regulação da glicémia e na promoção da saciedade.

Apesar da aveia no seu estado natural ser isenta de glúten, no momento do tratamento e processamento dos cereais, a aveia é tratada nos mesmos depósitos que os outros tipos de cereais, sendo que a sua junção a cereais como o trigo ou o centeio faz com que o glúten existente nos depósitos se junte à aveia, pelo que é necessário que os doentes celíacos se mantenham atentos aos rótulos dos produtos, no sentido de se certificarem sobre a inexistência de glúten.

aveia-tabelaFonte: Nutritiondata

É de mencionar ainda, o grande potencial gastronómico da aveia, uma vez que pode ser consumida sob diversas formas. Desde papas até misturada em iogurtes e sopas. O importante é optar por consumi-la na sua forma mais natural sem adição de açúcar ou gordura, com especial atenção às bolachas e outros produtos alimentares à base de aveia, na sua grande maioria ricos em açúcares, sal e gordura.

Veja aqui a nossa receita de “pudim de aveia e banana”, uma excelente opção para um pequeno-almoço saudável!

 Imagem retirada de Anne Carvalho

 

 

1 Comentário , Adicione o seu

Comentar

Adicione o seu comentário:

Outros artigos com a tag: alimentos