O PNPAS e o Dia Internacional da Mulher

Hoje comemora-se o Dia Internacional da Mulher.

Com todo o gosto o fazemos no PNPAS por várias razões. Porque o ato de transformar alimentos básicos da natureza em sabores e carinhos que nos trazem de novo à vida, tem estado ligado, desde sempre, às mulheres. Foram elas, durante séculos, que guardaram e transmitiram os saberes mediterrânicos mais profundos. Ou a arte de transformar o pouco em muito e diverso. A dieta Mediterrânica, património da humanidade, não é mais do que o conhecimento das mulheres do Sul, transmitido de geração em geração. É um sorriso e a arte da esperança quando havia pouco à mesa, feito de pão duro transformado em migas e açordas, ou de água, sal e ervas arrancadas aos campos e transformadas em saborosas sopas. Ou ainda do porco e da sardinha aproveitados na íntegra, sempre com uma receita nova, demonstrando como a variedade e a arte culinária escondiam, tantas vezes, a escassez na dispensa.

E comemoramos o 8 de março de uma forma ainda mais especial, abraçando um projeto de colaboração com a Revista “Sabe Bem” uma das publicações mais lidas em Portugal, oferecendo em cada edição, um pequeno texto sobre Alimentação Mediterrânica. Uma revista lida maioritariamente por mulheres, que procuram receitas e informação sobre alimentação saudável e onde o PNPAS se vai situar, com todo o gosto, e de uma forma completamente pedagógica e informativa. O saber não ocupa espaço.

Ainda temos muito para fazer. A saúde e a educação em Portugal, dois dos pilares da nossa sociedade, são progressivamente ocupados por mulheres que contribuem para o nosso bem-estar e avanço da ciência em todos os domínios. Na área da nutrição, as mulheres estão em maioria. Em outros domínios científicos também. Contudo, em muitas partes do mundo as mulheres são diretamente responsáveis por metade da produção alimentar e é neste trabalho violento que ocorrem a maior parte das violações e atropelos à sua dignidade.

Segundo a UNESCO, dois terços dos adultos analfabetos no mundo são mulheres. Uma em cada três mulheres sofre de violência física na sua esfera privada e a disparidade salarial entre homens e mulheres, pelo mesmo trabalho e com iguais competências, é uma realidade à escala mundial.

Tanto por fazer. Mas hoje é um bonito dia. De esperança para as mulheres em todo o mundo que nos inspiram, que inspiram a sociedade e que a tornam melhor.

A equipa PNPAS

Beatriz Ferreira/ Inês Aparício/ Joana Carriço/ José Camolas/ Maria João Gregório/ Sofia Mendes de Sousa/ Pedro Graça

 

0 Comentários , Adicione o seu

Comentar

Adicione o seu comentário: