O PNPAS apoia a ajuda alimentar às famílias mais carenciadas

Atualmente, o PCAAC foi substituído pelo Fundo de Auxílio Europeu às Pessoas Mais Carenciadas (FEAC), um programa que tem como ambição melhorar o modelo de ajuda alimentar da UE, assegurando não só a oferta de alimentos, mas também assegurando que sejam nutricionalmente adequados.

Desta forma, o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social apoia duplamente as famílias mais carenciados, através do fornecimento de alimentos, mas também através da oferta de alimentos nutricionalmente adequados a uma alimentação saudável e promotora de saúde.

Hoje sabemos que são as famílias mais carenciadas as mais atingidas pela obesidade, pela diabetes e pela hipertensão.

Os alimentos mais baratos são também, muitas vezes, os mais ricos em açúcar, gordura e sal. Se a ajuda alimentar às famílias mais carenciadas não tiver em conta a qualidade nutricional acabará por favorecer esta bola de neve, em que a ajuda alimentar favorece o aparecimento de doença que por sua vez favorece o desemprego que por sua vez favorece de novo a compra de alimentos baratos e muito calóricos.

Para reverter este ciclo, a DGS e o PNPAS colaboraram na construção de diversas propostas para a composição dos cabazes alimentares (quer no que se refere ao tipo de alimentos a incluir quer no que diz respeito às suas respetivas quantidades) a serem distribuídos às pessoas/famílias portuguesas carenciadas no âmbito do FEAC.

Assim se elaborou o Manual intitulado: “Programa de distribuição de alimentos: considerações para a adequação nutricional da oferta alimentar”, que representa também uma oportunidade para os técnicos de saúde que trabalham na área poderem fazer a pedagogia da utilização adequada dos alimentos oferecidos regularmente a estas famílias. No sentido de uma confeção adequada, na utilização racional das quantidades para evitar desperdícios ou ainda na promoção de ementas variadas, nutricionalmente equilibradas e adaptadas aos gostos de cada família.

Para a elaboração destas propostas de cabazes alimentares, foram utilizadas, sempre que possível, as recomendações alimentares disponíveis especificamente para a população portuguesa, nomeadamente as recomendações do guia alimentar Português – a Roda dos Alimentos, adotando os valores de energia e as recomendações nutricionais preconizadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS), pela Food and Agriculture Organization (FAO) e pelo Food and Nutrition Board, Institute of Medicine.

Consulte o manual aqui.

 

2 Comentários , Adicione o seu

  1. Parabéns por mais esta conceção!
    Constitui um importante documento de apoio a todos aqueles que colaboram com Bancos Alimentares. No Algarve, estamos a dar os primeiros passos num trabalho de parceria com o BA Contra a Fome.

    Teresa Sofia Sancho a 20/04/2017 às 00:53

Comentar

Adicione o seu comentário: