Estou a ler:

Monitorização da Segurança Alimentar em agregados familiares portugueses utentes dos cuidados de saúde durante os anos de crise 2011-2014

Notícias

Monitorização da Segurança Alimentar em agregados familiares portugueses utentes dos cuidados de saúde durante os anos de crise 2011-2014

Conheça os dados recolhidos pelo estudo INFOFAMÍLIA ao longo de quatro anos (2011-2014), um estudo coordenado pela Direção-Geral da Saúde (DGS) com o objetivo de contribuir para o conhecimento da situação de Segurança Alimentar dos agregados familiares, utentes dos cuidados de saúde primários do Serviço Nacional de Saúde (SNS) em Portugal Continental. Saiba mais.

infofamilia_relat

Lançamos hoje uma análise dos dados recolhidos pelo estudo INFOFAMÍLIA ao longo de quatro anos (2011-2014), um estudo coordenado pela Direção-Geral da Saúde (DGS) com o objetivo de contribuir para o conhecimento da situação de Segurança Alimentar dos agregados familiares em Portugal Continental utentes dos cuidados de saúde primários do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e de outras situações de saúde potencialmente associadas às condições socioeconómicas, durante um período de crise económica e social particularmente intensa entre 2011 e 2014.

Este estudo pretendeu, também contribuir para melhorar a metodologia, em particular na área da insegurança alimentar onde as ferramentas de observação eram, até ao momento, e com poucas exceções, relativamente incipientes para o estudo da realidade nacional.

O estudo foi realizado nas cinco Regiões de Saúde de Portugal Continental. A população em estudo englobou os utentes atendidos no local de trabalho dos “enfermeiros sentinela” (Centro de Saúde, Domicílio ou outro) do SNS, e teve como único critério de inclusão a idade igual ou superior a 18 anos. Foram realizados um total de 4872 questionários.

Apesar de não se terem verificado alterações significativas na prevalência de Insegurança Alimentar, ao longo destes quatro anos de análise a percentagem de agregados familiares inquiridos em situação de insegurança alimentar variou entre 48,5% e 50,7%, o que significa que nestes agregados familiares existiu, durante o período em causa, pelo menos alguma preocupação ou incerteza quanto ao acesso aos alimentos no futuro ou quanto à qualidade dos mesmos ou ainda, a efetiva redução quantitativa de alimentos.

A elevada prevalência de Insegurança Alimentar encontrada nesta população, reforça a importância de considerar esta problemática como um dos principais desafios de saúde pública em Portugal, ficando evidente que a implementação de estratégias que visem assegurar a Segurança Alimentar em Portugal é uma necessidade premente.

Consulte o relatório completo aqui. 

 

 

Tópicos
Notícias

Acompanhe a discussão sobre: Monitorização da Segurança Alimentar em agregados familiares portugueses utentes dos cuidados de saúde durante os anos de crise 2011-2014

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados

  • 17 janeiro, 2023

    Plano de Ação da Garantia para a Infância 2022-2030

    Foi publicado hoje, pela Resolução de Conselho de Ministros N.º 3/2023, de 17 de janeiro , o Plano de Ação da Garantia para a Infância 2022-2030. Este plano considera o acesso a uma alimentação saudável com um dos seus objetivos estratégicos, identificando um conjunto de respostas a implementar para a garantia desse acesso às crianças e jovens.

    Ler mais
  • 20 dezembro, 2022

    Boas festas | Um feliz e saudável 2023

    O PNPAS deseja a todos umas Boas Festas e um Feliz e Saudável 2023.

    Ler mais
  • 16 novembro, 2022

    Resultados do Food-EPI Portugal e de mais 10 países europeus publicados na revista The Lancet Regional Health – Europe

    Foi hoje publicado o artigo “Policy implementation and priorities to create healthy food environments using the Healthy Food Environment Policy Index (Food-EPI): A pooled level analysis across eleven European countries” na revista The Lancet Regional Health - Europe, onde se descrevem os resultados principais do estudo que avaliou a implementação de políticas públicas e as prioridades para a criação de ambientes alimentares saudáveis em 11 países europeus, incluindo Portugal.

    Ler mais