Estou a ler:

Devemos ou não restringir a publicidade a alimentos de má qualidade nutricional ? Participe e seja ativo !

Notícias

Devemos ou não restringir a publicidade a alimentos de má qualidade nutricional ? Participe e seja ativo !

A consulta sobre a Directiva Audio-Visual da UE oferece uma oportunidade para os cidadãos comentarem sobre a necessidade de uma melhor proteção contra a promoção de alimentos não saudáveis e bebidas. O prazo de consulta termina a 30 de setembro. Participe e comente em português.

morning-food-1496673

A consulta sobre a Directiva Audio-Visual da UE oferece uma oportunidade para os cidadãos comentarem sobre a necessidade de uma melhor proteção contra a promoção de alimentos não saudáveis e bebidas. Atualmente, a promoção do Álcool e a promoção do Tabaco são restringidas, mas a promoção de alimentos considerados de má qualidade nutricional não estão incluídos em qualquer categoria. Prazo de consulta 30 de setembro.

Participe e comente em português !

As suas respostas servirão de base à Comissão para concluir a avaliação da diretiva.

Imagem retirada de sim boon chin
Tópicos
Notícias

Acompanhe a discussão sobre: Devemos ou não restringir a publicidade a alimentos de má qualidade nutricional ? Participe e seja ativo !

3 comentários a “Devemos ou não restringir a publicidade a alimentos de má qualidade nutricional ? Participe e seja ativo !”

  1. arminda ribeiro das neves diz:

    Penso que a má qualidade dos alimentos e também a má qualidade nutricional são de suma importância a sua denúncia.

  2. Luísa Cortesão diz:

    (endocrinologista reformada)

    refrigerantes, e margarina com sabor a manteiga e sal marinho ofendem-me!

  3. Andreia Soares diz:

    A publicidade de produtos alimentares é uma questão de saúde pública. Grande parte das pessoas confiam na qualidade dos produtos publicitados e, como tal, as escolhas alimentares dessas pessoas passam precisamente por esses produtos. Se o objectivo é assegurar a boa saúde da população, qualquer alimento que não traga benefícios à nossa saúde deve ser proibida a publicidade. É também uma questão de educação alimentar publicitar somente o que é benéfico. Produtos como a margarina (que faz publicidade enganosa dos seus benefícios à saúde), os cereais matinais, bolachas, sumos, refrigerantes, produtos light, etc., devem ser proibidos de fazer qualquer tipo de publicidade. A saúde da população, nomeadamente das crianças, dependem muito do que lhes é impingido nos meios de comunicação social. E este gesto é somente um pequeno passo para o que realmente deve ser feito: eliminar esses produtos do mercado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Artigos Relacionados

  • 20 julho, 2022

    Recrutamento participantes | Estudo sobre a exposição das crianças e adolescentes ao marketing digital de alimentos e bebidas

    O Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável (PNPAS) da Direção-Geral da Saúde (DGS), em colaboração com a Organização Mundial da Saúde Europa e com o apoio do Instituto de Saúde Ambiental, está a fazer um estudo de enorme relevância em termos de saúde pública com o objetivo principal de avaliar a exposição ao marketing digital de alimentos e bebidas.

    Ler mais
  • 30 junho, 2022

    Estratégia Nacional de Luta Contra o Cancro em consulta pública

    Encontra-se, desde hoje, em consulta pública a Estratégia Nacional de Luta Contra o Cancro (ENLCC), que inclui objetivos e estratégias relacionadas com a área da alimentação e da nutrição, que foram construídos em estreita colaboração com o Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável (PNPAS). A Estratégia Nacional de Luta Contra o Cancro contempla […]

    Ler mais
  • 22 junho, 2022

    Healthier Together – EU Non-communicable diseases initiative

    Vai ser hoje apresentada a "Healthier Together - EU Non-communicable diseases initiative" pela Comissão Europeia. Esta iniciativa abrange cinco áreas principais, entre as quais a área dos determinantes da saúde, onde se insere a área da alimentação e da nutrição, e identifica um conjunto de políticas eficazes e boas práticas que foram selecionadas pelos Estados-Membros e pelas diferentes partes interessadas envolvidas neste processo.

    Ler mais