Estou a ler:

Dióspiro – Um fruto do Outono

Notícias

Dióspiro – Um fruto do Outono

Esta estação traz-nos cheiros, cores e sabores muito próprios da época e o dióspiro é um dos frutos preferidos no Outono. É um fruto proveniente da Ásia, mais precisamente da China, de onde foi levado para a Índia e para o Japão, onde é cultivado desde o século XVII. O calendário de produção nacional reporta aos meses de outubro e novembro, entrando ainda no mês de dezembro. Saiba mais.

14400113818_2b0bde6a91_z

O dióspiro (Diospyros kaki), é um fruto proveniente da Ásia, mais precisamente da China, de onde foi levado para a Índia e para o Japão, onde é cultivado desde o século XVII. Ao longo dos tempos, difundiu-se pelos cinco continentes. Atualmente, os principais países produtores são: China, Japão, Coreia, Brasil, Índia, Itália e Espanha. Em Portugal, destaca-se a zona do Algarve como zona de produção. Contudo, grande parte dos dióspiros é proveniente de árvores dispersas, espalhadas por todo o país. O calendário de produção nacional reporta aos meses de outubro e novembro, entrando ainda no mês de dezembro. Ou seja, estamos em plena época do dióspiro. Esta estação traz-nos cheiros, cores e sabores muito próprios da época e o dióspiro é um dos frutos preferidos no Outono.

O diospireiro é uma espécie de origem subtropical, adaptando-se a um clima moderado. O fruto do diospireiro, retirando a sua casca fina, é praticamente constituído por polpa, de aparência gelatinosa, composta por fibras solúveis como mucilagens e pectinas. Estas fibras favorecem a regulação do funcionamento intestinal e das glicemias, promovem a saciedade e diminuem os níveis de colesterol total e de colesterol-LDL.

Ainda do ponto de vista nutricional, é de salientar também a sua riqueza em vitamina A, e minerais como o potássio. Têm-se descrito grandes quantidades de atividades associadas aos carotenoides (responsáveis pela coloração do fruto), principalmente como agentes antioxidantes com eventual potencial na proteção das células.

As suas variedades dividem-se em função da adstringência. A sensação adstringente é provocada pela contração das mucosas da boca, sendo que esta característica particular se deve à presença de taninos (especialmente presentes quando a fruta ainda não está madura). A riqueza em taninos confere-lhe um elevado potencial antioxidante, e diversos estudos relacionam a sua presença com a diminuição do risco de doença cardiovascular e de alguns tipos de cancro. As “adstringentes”  – Coroa de Rei, Kaki e Roxo Brilhante – são as mais comuns e necessitam de uma maturação adequada para poderem ser consumidas. As “não adstringentes” – Fuyo, Hana Fuyo, O Gosho, Giro, Cal-Fuyo, Fau-fau e Sharon –  podem consumir-se de imediato, após a colheita.

O dióspiro oferece 65kcal por 100g de parte edível, sendo que a sua composição é essencialmente água (82,6g), hidratos de carbono (14,8g), vitaminas e minerais. Contém 177 µg de carotenoides correspondendo a 22% da dose diária recomendada (DDR) de vitamina A, tornando o dióspiro uma boa fonte. Apresenta, também, uma quantidade interessante de potássio (230mg), correspondendo a 11,5% da DDR.

Devido ao teor de hidratos de carbono, o consumo do dióspiro deve ser, sempre que possível, integrado em refeições.

tabela-diospiro-1
Informação retirada da Tabela de Composição dos Alimentos Portuguesa

Como Escolher/Manter

A coloração pode apresentar-se desde amarelo/alaranjado até laranja escuro. Escolha dióspiros que ainda conservem o pedúnculo e o cálice. Manipule cuidadosamente pois o dióspiro tem uma pele muito sensível a qualquer dano físico. Pode optar por comprar o fruto ainda duro e deixar amadurecer em casa, visto que o processo de amadurecimento é rápido e pode ainda ser acelerado se for colocado junto a outras frutas, como por exemplo a banana. O etileno libertado por esta fruta induz o amadurecimento noutra que esteja próxima.

Como consumir

Estamos no Outono, e por esse motivo, os dióspiros ganham destaque nas bancas dos mercados. Sem dúvida que a melhor forma de apreciá-los é ao natural, e com o auxílio de uma colher. No entanto, pode ser preparado de várias formas, cru ou cozinhado (assados com um pouco de canela). O dióspiro é doce e portanto muito utilizado em saladas, com iogurte, em sumos ou em gelados evitando a adição de açúcar. Dê preferência ao dióspiro maduro de forma a diminuir a adstringência e suavizar o seu sabor.

Delicie-se neste Outono!

Imagem retirada de Parchen
Tópicos
Notícias

Acompanhe a discussão sobre: Dióspiro – Um fruto do Outono

9 comentários a “Dióspiro – Um fruto do Outono”

  1. […] Se há coisa que devemos fazer em relação à fruta é respeitar a sua sazonalidade. Para além de mais barata, a fruta é muito mais saborosa e nutritiva. Por isso mesmo, o Outono é a melhor altura para consumir figos, romãs, castanhas e, claro está, dióspiros! […]

  2. Linda Susan diz:

    Adoro a fruta. Degusteiiiiii hoje como sobremesa e até postei no Instagram @pratodalinda com um breve relato um amigo do Facebook comentou que ele conhecia e que em Porto o nome era diospíro​, ativou minha veia de pesquisadora, sou professora, Nutricionista é Chef de cozinha, #nutrichef . Obrigada. Aprendi um pouco mais. Vou compartilhar.

  3. Ibrahim diz:

    Agora é a época de comer os dióspiros ,,, antes da altura da gripe e constipaçõao …. a natureza creu não pôr acaso ,,,, a fruta mais rica em vitamina c e outros minerais que protegem o corpo das doenças do inverno

  4. Carlos Parchen diz:

    Manda a norma e o direito autoral que seja referenciado o autor da foto e que seja mantido o link para a foto original.
    Pode usar a foto sem problemas, mas solicito a correta citação da autoria.
    Atenciosamente,
    Carlos Parchen

    • pnpas diz:

      Bom dia. Muito obrigada pela sua mensagem. No final do artigo encontra-se citado a referência à foto original juntamente com o seu link (“Imagem retirada de Parchen”). Muito obrigada pela sua atenção. PNPAS-DGS.

  5. Carlos Parchen diz:

    Agradeço a rápida colocação do link da minha foto.
    Fico feliz que a foto possa ser útil.

  6. Carlos Santos diz:

    Boa noite fui operado ao coração e tenho problemas com o colesterol e triglicerídeos tinha receio em dióspiros de roer mas pelo que entendi são muito saudáveis obrigado pela informação abraço

  7. Alexandre Lima diz:

    Gosto de dióspiros, são bons e fazem bem para a saúde humana. Sabem a relíquias e cheiram a Outono. #DIÓSPIROSFOREVER !!!

  8. Alexandre Krening diz:

    Vamos descomplicar: dióspiro (Portugal) = caqui (Brasil). Di-os-pi-rei-ro é o nosso tradicional caquizeiro, cujos frutos acostumei a devorar direto do pé na minha infância e juventude.
    Belo post, parabéns!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Artigos Relacionados

  • 23 maio, 2022

    Abertura Concurso Público para o Estudo de avaliação do Regime Escolar em Portugal

    Encontra-se aberto um Concurso Público para a aquisição de serviços para a realização do “Estudo de avaliação do Regime Escolar em Portugal (2017/2018 a 2022/2023)” para a Direção-Geral da Saúde, de acordo com as especificidades exigidas no artigo 13º da Portaria nº 113/2018, e dos artigos 8º do Regulamento (UE) 2017/39, da Comissão, de 3 de […]

    Ler mais
  • 3 maio, 2022

    OMS publicou hoje o WHO European Regional Obesity Report 2022

    A OMS publicou hoje um importante relatório (WHO European Regional Obesity Report 2022) sobre o estado da obesidade na região Europeia. Neste relatório publicado hoje pelo Escritório Regional da OMS Europa para a Prevenção e Controlo das Doenças Crónicas, a OMS destaca que a prevenção e controlo da obesidade deve centrar-se numa estratégia de prevenção […]

    Ler mais
  • 19 abril, 2022

    EFSA’s scientific advice related to nutrient profiling

    A Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA) publicou hoje a Opinião Científica sobre perfis nutricionais que pretende apoiar a tomada de decisão da Comissão Europeia sobre o modelo simplificado de rotulagem nutricional a adotar na União Europeia e sobre as condições para restringir a presença de alegações nutricionais e de saúde nos alimentos.

    Ler mais