Estou a ler:

Resultados do “REACT-COVID – Inquérito sobre alimentação e atividade física em contexto de contenção social” publicados na revista Nutrients

Notícias

Resultados do “REACT-COVID – Inquérito sobre alimentação e atividade física em contexto de contenção social” publicados na revista Nutrients

Foi hoje publicado o artigo “Towards an in-Depth Understanding of Physical Activity and Eating Behaviours during COVID-19 Social Confinement: A Combined Approach from a Portuguese National Survey” na Nutrients, onde se descrevem os resultados principais do estudo "REACT-COVID – Inquérito sobre alimentação e atividade física em context de contenção social” desenvolvimento pela Direção-Geral da Saúde, em particular pelo PNPAS e pelo PNPAF.

Foi hoje publicado o artigo “Towards an in-Depth Understanding of Physical Activity and Eating Behaviours during COVID-19 Social Confinement: A Combined Approach from a Portuguese National Survey” na Nutrients, onde se descrevem os resultados principais do estudo “REACT-COVID – Inquérito sobre alimentação e atividade física em contexto de contenção social” desenvolvimento pela Direção-Geral da Saúde, em particular pelo Programa Nacional de Promoção da Alimentação Saudável e pelo Programa Nacional para a Promoção da Atividade Física.

A COVID-19 parece ter contribuído para uma alteração nos hábitos alimentares de uma parte significativa da população nacional inquirida. Quase metade da população inquirida (45,1%) reportou ter mudado os seus hábitos alimentares durante este período e 41,8% tem a perceção de que mudou para pior.

As razões para esta alteração parecem concentrar-se, em torno das medidas impostas pelo confinamento, que obrigaram a alteração no horário de trabalho (17,6%) e no modelo de compras dos alimentos (34,3%). Um segundo conjunto de razões parece associado ao stresse vivido (18,6%) e a mudanças no próprio apetite (19,3%) e, um terceiro eixo de explicação, aparece associado ao receio com a situação económica (10,3%). Um em cada três portugueses (33,7%) manifestou preocupação quanto a uma possível dificuldade no acesso aos alimentos e 8,3% indicou mesmo ter dificuldades económicas no acesso a alimentos.
As mudanças no consumo alimentar provocadas pelo confinamento relacionam-se essencialmente com o aumento do número de refeições feitas em casa na fase do confinamento, reduzindo muito a utilização das refeições pré-preparadas (40,7%) ou take-away (43,8%). Apesar de os inquiridos dizerem que consomem mais snacks doces (30,9%) também o aumento do consumo de fruta (29,7%) e hortícolas (21%) é referido frequentemente. A maior parte dos inquiridos refere ter passado a cozinhar mais (56,9%), infelizmente também a petiscar mais (31,4%). Este facto associado ao sedentarismo pode explicar a perceção de peso aumentado durante este período reportado por 26,4% da população.

Algumas alterações no comportamento alimentar parecem ter acontecido de modo agregado, tendo-se identificado um padrão alimentar menos saudável, caracterizado pelo aumento do consumo de snacks salgados, refeições pré-preparadas, refrigerantes e take-away e, por oposição, por uma diminuição do consumo de fruta e hortícolas. Este padrão de comportamento alimentar foi mais comum nos inquiridos mais jovens, do sexo masculino, com mais dificuldades financeiras e em risco de insegurança alimentar. Ou seja, durante o período analisado, a adoção de comportamentos alimentares mais saudáveis pareceu ser mais difícil de atingir nas populações mais jovens e desfavorecidas socioeconomicamente.

Verificou-se também, que vários comportamentos na área da alimentação e da atividade física foram alterados de forma combinada. Nesse sentido, foi possível identificar dois padrões de mudança de comportamentos (e de características sociodemográficas):

Um padrão de risco apontando para a co-ocorrência de níveis de AF baixos, aumento do consumo de snacks e refrigerantes, ausência de consulta das recomendações da DGS sobre AF e alimentação saudável em contexto de isolamento social, má situação financeira, menor nível de escolaridade, bem como mais tempo em situação de confinamento social (5 semanas ou mais);

Um padrão protetor da saúde, em que níveis mais elevados de AF tendem a co-ocorrer com outros elementos de potencial salutogénico, como o não aumento do consumo de snacks, o acesso às recomendações de AF e alimentação saudável, boa situação financeira, maior nível de escolaridade, ser mais jovem e estar há menos tempo em situação de confinamento social.
Estes dados resultam de um estudo da Direção-Geral da Saúde, cuja recolha de dados (entre 9 de Abril a 4 de Maio), de uma amostra de 5874 indivíduos (com 16 ou mais anos) em confinamento social, ponderada por género, idade, nível educacional e região (NUTS II), foi feita via questionário online ou inquérito telefónico versando 3 áreas fundamentais: literacia, alimentação e atividade física. Este estudo teve como parceiro o Instituto de Saúde Ambiental da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa.

Entretanto, já foi realizada a segunda recolha de dados sobre os comportamentos alimentares e de atividade física dos portugueses em contexto da pandemia COVID-19. Com esta segunda avaliação, cujos resultados serão divulgados brevemente, pretende-se conhecer os comportamentos alimentares e de atividade física dos portugueses um ano após o início da pandemia COVID-19 (maio-junho 2021) e comparar os resultados com os obtidos no início da pandemia, em contexto de contenção social (abril-maio 2020).

Pode consultar o artigo aqui.

Tópicos
Notícias

Acompanhe a discussão sobre: Resultados do “REACT-COVID – Inquérito sobre alimentação e atividade física em contexto de contenção social” publicados na revista Nutrients

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados