5 decisões alimentares (felizes) para 2018

Neste novo ano comer melhor é uma promessa com real impacto na nossa vida e na saúde do planeta. Atualmente, sabemos que os hábitos alimentares inadequados são os principais determinantes dos anos de vida saudáveis perdidos pelos portugueses e a produção alimentar é um dos principais responsáveis pelo aquecimento do planeta e emissões de gases com efeitos de estufa. Felizmente, com um pequeníssimo esforço, é possível mudar muita coisa se multiplicarmos estas ações individuais por muitos milhões de pessoas.

AQUI FICAM 5 pequenas decisões QUE PODEM FAZER UMA ENORME DIFERENÇA:

1. Uma vez por semana substitua a refeição de carne por um prato vegetariano. Uma refeição de carne a menos por semana, ao longo de uma ano, equivale a poupar, em emissões de carbono, cerca de 500 km de automóvel.

2. Uma vez por semana experimente cozinhar sem sal. Veja as nossas receitas sem sal. E aprenda a cozinhar saboroso sem a substância responsável por retirar muitos anos de vida saudável a milhares de portugueses. Mais de 4 milhões de portugueses sofrem de hipertensão arterial onde o sal tem um papel importante. Para compras com menos sal utilize o “descodificador de rótulos”.

3. Substitua o habitual refrigerante ou bebida açucarada diária por água. O consumo excessivo de refrigerantes tem vindo a ser associado ao aparecimento de diabetes tipo II e cárie dentária. Por outro lado, apenas um refrigerante ou outra bebida açucarada pode conter por lata de 330 ml aproximadamente 35 g de açúcar o que equivale ao consumo anual de mais de 12 kg de açúcar e alguns kg de gordura corporal a mais no final do ano! Lembre-se que a água da rede pública em Portugal é de boa qualidade. Conheça a iniciativa #aguapublica.

4. Consuma sopa pelo menos uma vez por dia e, sempre que possível, substitua, em parte ou totalmente, a batata por leguminosas (feijão, grão, ervilha, fava, lentilha…). A presença de hortícolas e leguminosas ajudam a regular o colesterol, são fonte de vitaminas e minerais, reduzem o risco de doença cardiovascular e certos tipos de cancro, reduzem o risco de diabetes tipo II e podem ainda ter papel importante na regulação do transito intestinal e controlo do apetite. Uma dose diária destes alimentos protetores é decisiva para uma alimentação equilibrada e uma vida saudável.

5. Vamos deitar menos comida fora, comprando e cozinhando apenas o necessário e reaproveitando. Um terço (⅓) da comida produzida no nosso planeta nunca chega a ser consumida! Ou seja, “a comida que não é comida” é uma das principais fontes de poluição num mundo onde 795 milhões de pessoas passam fome. E em Portugal, 2 milhões de portugueses e suas famílias estão abaixo do limiar de pobreza. Vamos deitar menos comida fora este ano. Comece já nesta altura de festividades, com receitas saudáveis, económicas e amigas do ambiente com zero desperdício. 

 

 

 

 

 

 

href=”https://visualhunt.com/re/daec95″>Visual hunt</a> / <a href=”http://creativecommons.org/licenses/by/2.0/”> CC BY</a>

1 Comentário , Adicione o seu

  1. Gostei bastante do artigo. Pedagógico e com ferramentas de apoio, digamos assim. Obrigada.

    Filomena Calão a 04/01/2018 às 11:41

Comentar

Adicione o seu comentário:

Outros artigos com a tag: 2018